Quatro monólogos inéditos são apresentados ao longo do mês de abril na Casa Quintal, no Rio

AutorassssQuatro textos nacionais ainda não encenados e nem mesmo apresentados em público serão lidos pela primeira vez no evento Abril Inédito, promovido pela Casa Quintal de Artes Cênicas. Trata-se do segundo ciclo de leituras dramatizadas realizado no local, um casarão no bairro da Lapa, no Rio de Janeiro, que a atriz Bianca Byington transformou em um espaço voltado para atividades relacionadas às artes cênicas. A cada terça-feira do mês de abril, uma obra será apresentada com entrada franca. Os textos, todos monólogos, são de Ana Kutner, Lucília de Assis, Eliane Costa e Isabel Cavalcanti (nas fotos acima).

A própria Ana Kutner abre os trabalhos no dia 4 lendo o seu texto, “Passarinho”. Com direção de sua irmã Clara Kutner, a atriz propõe uma conversa, com humor e delicadeza, sobre suas memórias familiares, encontros e desencontros, atravessados por temas como amor, morte, sexualidade, amizade e fé. “Em tempos de individualismo e de produção massiva, nos parece pertinente perceber que se pode ser fiel a si mesmo e agregar outras pessoas neste processo. Que se pode amar e deixar o seu amor livre, uma contradição pertinente quando se trata de afetos. Uma lufada de esperança”, diz.

No dia 11, Lucília de Assis também apresenta o seu próprio texto, “Não Peça, sob direção da anfitriã Bianca Byington. A peça traz a história de Jandira, mulher que mora nos fundos de um teatro onde também trabalha como faxineira, bilheteira e baleira. O elenco da peça em cartaz no local encontra-se preso em um engarrafamento e pede à funcionária que segure o público até sua chegada. “Escrever a história de uma mulher que sempre trabalhou e residiu nos fundos de um teatro foi uma forma de falar daqueles momentos em que precisamos de um empurrãozinho para assumirmos o protagonismo de nossas ações”, destaca Lucília.

Terceira leitura da programação, “Cuidado! Animais na pista”, de Eliane Costa, tem direção de Rubens Camelo e será apresentada, da mesma forma que as anteriores, pela própria autora. Eliane narra a história de uma mulher que deixa de dormir sem nenhum motivo aparente. Transformações internas e externas vão acontecendo aos poucos, até ela vivenciar uma mutação. A ideia surgiu em 2015, durante o TEMPO_FESTIVAL, quando participou com Cristina Moura de uma experiência. “Levei o livro ‘Sono’, de Haruki Murakami, e, a partir dele, improvisava em um fluxo de pensamento. Nasceu aí o desejo de continuar”, lembra a atriz.

Encerrando o ciclo, no dia 25, “The And” (assim mesmo, com A) é o único texto que não será lido pela autora. Desta vez, Isabel Cavalcanti dirige Claudio Gabriel, na pele de um indigente, expulso de um abrigo,  que narra sua trajetória enquanto procura um lugar para ficar na cidade. A obra foi inspirada nas primeiras novelas escritas por Samuel Beckett, em primeira pessoa. Sobre o processo de dramaturgia, Isabel Cavalcanti conta que escreve diariamente. “São construções desencadeadas, que depois organizo”, conta.

As leituras acontecem sempre às 20h, com entrada gratuita. A Casa Quintal de Artes Cênicas fica na Rua Silvio Romero, 36, na Lapa.

[fotos: arquivo pessoal]