Performer pernambucana Flavia Pinheiro leva ao Rio três obras inéditas na cidade

Diafragma_Como manter-se vivo ₢ DANILO_GALVÃO_6

A relação do corpo com a tecnologia está no cerne das investigações que deram origem a três performances que a performer e bailarina pernambucana Flavia Pinheiro apresenta pela primeira vez no Rio, a partir de 14 de setembro. No Teatro Angel Vianna, a artista exibe “Diafragma: Dispositivo Versão Beta” (quinta e sexta, respectivamente 14 e 15 de setembro, às 20h) e “Diafragma: Como Manter-se Vivo?” (sábado, 16, às 20h, e domingo, 17, às 18h); “Contato Sonoro” terá duas apresentações em praças públicas no Centro do Rio, na Praça Alagoas e na Praça Mauá, respectivamente nos dias 16 e 17, às 11h.

“Diafragma: Dispositivo Versão Beta” é uma performance manifesto construída a partir de dispositivos low tech e tecnologias obsoletas. A artista pesquisa o diafragma como parte de um dispositivo motor utilizando alguns princípios de filósofos como Gerald Raunig, Michel de Certeau, Vilem Flusser e Gilles Deleuze. Em “Diafragma: como manter-se vivo?”, a Flavia investiga a urgência de permanecer em movimento como um procedimento de sobrevivência. Já em “Contato Sonoro”, ao lado do argentino Leandro Olivan, ela aborda as pessoas com dispositivos que produzem ruídos ao contato com o corpo humano.

Além das performances, Flavia ministra, no dia 16 de setembro, das 10h30 às 12h30, também no Teatro Angel Vianna, a oficina Dança Invisível para Corpos Futuros”. A entrada é franca, e inscrições devem ser feitas pelo telefone (21) 3238-0357.

O Teatro Angel Vianna fica no Centro Coreográfico do Rio de Janeiro, na Rua José Higino 115, Tijuca.

[foto: Danilo Galvão]