Peça do Coletivo Ponto Zero, ‘Curral Grande’ reestreia no Rio de Janeiro

 

Curral Grande - Lucas  Lacerda (abaixado), Brisa Rodrigues, Carlos Dazé e Brunna Scavuzzi. Foto Marília CabralDurante a seca de 1932, o governo do Brasil iniciou um processo de higienização social no Ceará, instalando sete currais no interior do Estado que impediam a imigração dos sertanejos para a capital. A partir dessa história, pouco ou nada conhecida pelos brasileiros – a rigor, a história da implantação de campos de concentração no país –, foi desenvolvido o espetáculo “Curral Grande”, do Coletivo Ponto Zero, formado por jovens atores baianos. Com texto de Marcos Barbosa e direção de Eduardo Machado, a peça reestreia no dia 6 de outubro no Teatro Municipal Serrador, no Rio de Janeiro. A curta temporada segue até o dia 28.

Construído a partir de cenas curtas, o espetáculo (que está em seu terceiro ano de circulação) reúne múltiplas linguagens estabelecendo um jogo com formas estéticas diferentes. Os atores Brisa Rodrigues, Brunna Scavuzzi, Carlos Darzé e Lucas Lacerda se revezam em mais de quarenta personagens, partindo da construção realista à caricatura, do teatro épico narrativo à contação de histórias. A encenação faz referência também ao século passado, fazendo uso de técnicas da radionovela e do cinema mudo.

O Teatro Serrador fica na Rua Senador Dantas, 13, Centro. As sessões são de quinta a sábado, às 19h30.

[Foto: Marília Cabral]